Crescimento pessoal

05/12/2016 10h00

Entrevista Exclusiva: O astro dos astros

Oscar Quiroga, o astrólogo argentino mais admirado do Brasil, faz um balanço dos 30 anos de leitura e revela como será o ano de 2017

Por Filipe Marcel

CLAUS LEHMANN
Quiro

Nesses últimos dias do ano, as encomendas pelas leituras de Quiroga não param de crescer, já que todos que o conhecem querem saber quais são suas perspectivas para 2017

As previsões do astrólogo Oscar Quiroga são lidas diariamente por milhares de pessoas em todo o Brasil. Seus textos, sempre profundos e cuidadosamente elaborados para não dar margem a erros, vão além das leituras triviais de horóscopo que estamos acostumados a ver publicadas em jornais, revistas, sites ou compartilhados nas redes sociais. Suas análises surgem como pérolas de sabedoria em meio ao vasto oceano do desconhecido, servindo para orientar cada signo de acordo com os aspectos mais sutis.

Nesses últimos dias do ano, as encomendas pelas leituras de Quiroga não param de crescer, já que todos que o conhecem querem saber quais são suas perspectivas para 2017. O grande astro da astrologia disse, nesse mesmo período no ano passado, que tratássemos de ajustar nossas expectativas e demandas, mantendo o foco para não nos perdermos em situações que roubassem a nossa energia, além de investirmos mais paciência para resolver conflitos. “Encare, portanto, os cortes do início do ano de 2016 como a poda das árvores, que por um instante parece deixá-las feias, mas que depois mostra o resultado de fazer as árvores crescerem frondosas. Será importante afirmar no coração que é tudo temporário para que a raiva não cresça desmesuradamente, sendo jogada em cima das pessoas com quem nos relacionamos, como se fossem as culpadas de nossas penúrias”, registrou o astrólogo no final de 2015. Na época, a leitura foi ainda mais longe: em 2016 o dinheiro em circulação irá minguar e se apresentará como carência em vez de mostrar sua verdadeira cara de abundância. “Apertar os cintos e evitar os excessos será fundamental!”, anotou Quiroga.

Quem segue as suas análises detalhadas sobre a movimentação dos planetas, esvaziamento das luas e demais alterações cósmicas que ele acompanha no céu ao longo do ano, só tem a agradecer pelo serviço prestado. Quiroga consegue condensar, em poucas linhas, o destino de uma nação, tornando acessível – e de forma completamente gratuita – o insondável universo, prevendo quais são as suas influências diretas e indiretas nas nossas vidas.

O primeiro contato dele com a astrologia se deu no início de 1978. Depois de deixar a faculdade de medicina, em Buenos Aires, Quiroga partiu para o Brasil, mais precisamente para a cidade de Arraial do Cabo, no Rio de Janeiro, onde descobriria as raízes do esoterismo. Em 1986, começou a escrever para jornais, tornando-se rapidamente uma referência para leitores de todo o País.

Na entrevista a seguir, concedida com exclusividade ao Nosso Bem Estar, Oscar Quiroga fala da importância de estarmos preparados para o futuro e diz que a intenção principal do seu trabalho é incentivar as pessoas para que elas deixem de ser coadjuvantes do Universo.

NOSSO BEM ESTAR: Que leitura você faz desde o seu primeiro contato com a Astrologia, no final da década de 70, até os dias de hoje?

OSCAR QUIROGA: Me deleita pensar que estamos todos navegando na mesma vida, que se distribui graciosa através de cada uma das entidades que compõe o Universo, seja infinitamente grande ou infinitesimalmente pequena, e que essa seja a verdade por trás da Astrologia, a qual, mesmo tendo sido deturpada e maltratada, continua sendo o conhecimento maravilhoso que é, a possibilidade de dar uma olhada e perceber o funcionamento do universo, sem julgamentos morais maniqueístas que tentam separar tudo, como se uma parte do Universo merecesse existir enquanto a outra devesse ser banida.

NBE - O que mudou na sua rotina, na prática, com o entendimento cada vez mais apurado das pessoas e das situações que o cercam?

OQ - À medida em que cada um de nós se aproxima do olhar do Universo, nosso julgamento se torna equânime e desapaixonado, porém, com uma profundidade enorme. Esse conhecimento deixa, por isso, de ser circunscrito a um momento de trabalho e realmente se transforma numa espécie de liturgia, que hoje permeia cada instante da minha vida.

NBE - Quais as diferenças que você enxerga nos diversos tipos de astrologias que vemos sendo aplicados hoje? Por que escolheu esse, exatamente?

OQ - As diferenças de práticas astrológicas são as diferenças que há no caráter das pessoas, cada uma enxerga até o alcance do que decide enxergar e, por isso, utiliza o conhecimento, não apenas o astrológico, mas qualquer um, em torno desse alcance de percepção. A mim, o conhecimento astrológico me brindou com a oportunidade de ampliar o entendimento e considero que é um instrumento que propicia essa ampliação, principalmente se você não quer ser mesquinho com o conhecimento astrológico e utilizá-lo para amedrontar as pessoas em vez de conduzi-las a um entendimento mais amplo da realidade.

NBE- O horóscopo diário se mantém presente nas mais diversas publicações, principalmente jornais e revistas, sempre com grande procura. Você precisou mudar algo para atender aos anseios dos leitores?

OQ - Meus escritos nunca foram elaborados tendo em vista os leitores. Sempre tive uma urgência interior de explicar o inexplicável que, acho agora, nunca foi exclusiva minha. Essa urgência é inerente à natureza humana e, por isso, em pouco tempo, ela encontrou ressonância nos leitores, que viram em meus escritos o movimento que a consciência faz em busca de saciar essa sede de percepção de algo que, na maior parte do tempo, é apenas um pressentimento

NBE – Existe diferença nas gerações de leitores que o acompanham? Como é a resposta deles para as suas leituras, especialmente as que são publicadas nos jornais diariamente?

OQ - Comecei a publicar escritos astrológicos em 1986 e, por isso, 30 anos depois, tenho a experiência de saber que uma geração inteira cresceu lendo essas publicações, em vários casos influenciada pelos pais, que ofereciam essa leitura aos seus filhos. Vejo nessa geração atual uma aceitação natural de verdades cósmicas e eternas, enquanto que, nas gerações anteriores, essas mesmas verdades, ainda que pressentidas reais, eram tidas como dimensões inatingíveis.

NBE – Como você faz para atender todos os tipos de pessoas, já que possuem práticas e estilos de vida variados e muitas vezes até opostos? Como é dar uma notícia tão importante, em tão poucas linhas?

OQ - Essa é a arte literária da síntese, a dos epigramas, a dos provérbios, os quais, aos olhos profanos parecem comunicar platitudes e obviedades, porém, aos olhos sedentos de sabedoria, em suas entrelinhas se anunciam a profundidade do Universo.

NBE - Por fim, você poderia compartilhar um pouco do que nos espera em 2017?

OQ - Posso, com muita segurança, afirmar que 2017 será um ano propício a tomarmos decisões e, não apenas isso, a colocarmos em prática essas decisões e provocar reviravoltas, as quais serão auspiciosas ou perniciosas de acordo com a orientação de nossos corações.

*Todos os detalhes sobre esses movimentos previstos para cada um dos signos, incluindo temas como relacionamento e trabalho, foram escritos por Quiroga para o anuário 2017, que já está nas bancas de todo o Brasil. Confira uma prévia para cada signo aqui no nosso Portal no link: http://bit.ly/2gVLcj9

Dica do dia

"O hábito de ler a previsão do dia está bastante enraizada na nossa sociedade moderna.  Poderia te contar as histórias mais lindas e descrever o magnífico funcionamento cósmico da vida e, provavelmente, com espontaneidade, de teus olhos brotariam luz e lágrimas. E quando a história terminasse pedirias mais, porém, eu já estaria longe, contando histórias alhures e tu voltarias ao ritmo que teus passos e atitudes cotidianas articulam, motivados pelo objetivo essencial ao qual dedicas teu tempo. Essas histórias maravilhosas que pressentes verdadeiras ainda não te motivam o suficiente para lhes dedicares teu tempo, pois, só assim, consagrando tudo que tens e fazes elas deixariam de ser histórias e as perceberias fluindo através de tua presença, se irradiando ao mundo. Então tu deixarias de ser ouvinte e te transformarias em contador de histórias".

- Texto de Oscar Quiroga extraído do jornal O Estado de S. Paulo na ocasião da entrevista para o Nosso Bem Estar 

X